Fazenda Angolona em São Roque

Uns dias atrás fizemos um passeio bem gostoso na Fazenda Angolona localizada na cidade de São Roque, interior de São Paulo. A fazenda possui um espaço grande e foi inaugurada em 1985 e é dedicada ao turismo. Lá tem vários espécies de animais como pavão, coelhos, pôneis, galinhas, porcos e outras especies domésticas.

Uma das coisas mais legais da fazenda, é que os visitantes podem alimentar os animais e estar em contato direto com eles. Meu sobrinho adorou carregar os coelhos e dar comida para as ovelhas! É um local bacana para passear com família, se tiver criança então, melhor ainda hahaha.

A melhor parte para mim foi a trilha, pois é uma das atividades que mais gosto de fazer. A mata é bem fechada e nativa, e ainda dá para encontrar pássaros diferentes como tucanos e pica paus, embora eu não tenha conseguido ver nenhum (chorando aqui).

A única coisa que não curti muito, foi a parte da alimentação. Os dois restaurantes encontrados na fazenda angolona são extremamente caros e lotados, tendo que esperar na fila para poder entrar.

Não consegui tirar muitas fotos, pois eu esquecia na distração de ver os animais e a alegria do meu sobrinho hahaha.

E aí, já conheciam a Fazenda Angolona? O que acham da ideia desse contato próximo com os animais? Quem é da cidade adora! Haha. Deixem nos comentários a opinião de vocês.

Diário de Viagem – Santiago / Chile

29DSCN1706_1_2

Hoje vim falar da minha viagem para o Chile. Fui em Maio  (nem acredito que já faz 7 meses!). Eu fiquei 7 dias e para mim foi mais do que suficiente, mas eu não soube escolher muito bem a época.
Em Maio ainda não tem neve, consequentemente nem consegui ir para o Vale Nevado, que só abre no período de neve para quem quer esquiar.

Eu cheguei lá num sábado, por volta do meio dia. Passar pela alfândega foi bastante sossegado, meu único problema é que, não sei…minha mente trava e não consigo entender absolutamente nada em espanhol, quando eu precisava perguntar alguma coisa, eu perguntava em inglês (não sei porque raios não perguntei em português mesmo) com a esperança que eles me respondessem também em inglês, mas eles não falam muito o idioma lá. Enfim, chegando no aeroporto, peguei um dos transfers disponíveis no aeroporto mesmo (usei o Transvip), pois sai bem mais barato. Ficou em torno R$25,00 reais por pessoa. Eu fui em uma van com mais 4 pessoas aleatórias (na van cabe até sete pessoas), sai bem mais barato assim.

O transfer nos deixou no apartamento que alugamos pelo Airbnb, outra super vantagem. Pagamos R$800,00 por uma semana! E cabia 3 pessoas no apartamento, embora estivéssemos em duas pessoas. O Apartamento tinha um quarto, sala e cozinha. Na sala tinha um sofá cama para a terceira pessoa. Outra vantagem era a cozinha. Cozinhando em casa mesmo, já economizava uma grana mais ou menos. As pessoas do prédio, desde recepção quanto aos moradores que encontramos pelo corredor, foram bastante simpáticos.

PicMonkey Collage2

No primeiro dia, apenas conhecemos a vizinhança e descemos no centro para trocar dinheiro. Não trocamos peso chileno aqui no Brasil, pois não valia a pena. Chegando no aeroporto trocamos o suficiente para pagar o transfer. Trocar o câmbio no centro de santiago é bem mais vantajoso, você consegue uns valores bem legais e a rua Agostina, onde trocamos o dinheiro, tem várias caixas de câmbio.

Também no primeiro dia, saímos em busca de supermercado, mas está aí uma coisa que achei meio ruim, tem poucos supermercados (de médio a grande), pelo menos na área onde estávamos. Encontramos apenas um supermercado grande, mas tivemos que andar muitas quadras para chegar nele, mercadinhos tinha bastante no centro.

PicMonkey Collage3 PicMonkey Collage4

No segundo dia, fomos fazer os passeios que dava para fazer a pé, a maioria deles. Descemos para a Plaza das Armas, onde tem a Catedral Metropolitana e o Museu Histórico (tem a entrada gratuita). Depois, fomos caminhando a pé, até o Palácio de la Moneda, sede da presidência chilena, nesse dia, estava tendo maratona de corrida, que passava em frente ao palácio, então não teve a troca de guarda, que ocorre dia sim e dia não. A praça em frente ao palácio é bem agradável e gastamos um bom tempo lá, apenas sentados de boa e apreciando a vista.

Na parte da tarde, fomos no Cerro Santa Lucía, precisamos pegar o metro para ir até lá e descemos na estação Santa Lucía. Saindo da estação, já dá para ver o cerro, na entrada há dois guardas que anotam seu nome e de que país você é. Para conhecer o local é necessário subir por uma série de escadas e rampas. É bastante cansativo, ainda mais se você é um pouco sedentário (oi?), mas a paisagem que você vê lá de cima, super compensa.

PicMonkey Collage5 PicMonkey Collage6

No terceiro dia, fomos no Cerro San Cristobal, onde tem uma vista da parte moderna de Santiago, os prédios são bem bonitos e com as montanhas ao fundo. Subimos de furnicular que funciona a partir de 3º Feira e pagamos algo em torno de R$10,00 ida e volta. Durante a subida do Furnicular, paramos no Zoológico, pagamos R$6,00. Não tem muita graça, confesso. Tem poucos animais e é bem pequeno. Caso você queira ir no zoológico, tem que descer logo na ida, pois na volta o Furnicular não para no Zoológico.

Passamos boas horas no Cerro San Cristobal, é um local agradável com uma vista linda dos alpes. Depois que descemos, fomos a procura da casa do Pablo Neruda que fica bem perto do Cerro San Cristobal. Não entramos, pois não estávamos afim para falar a verdade (podem jogar pedras em mim), custava cerca de R$25,00.

Tínhamos separado os dias seguintes para conhecer os shoppings, ir para Viña Del Mar e Valparaiso e ainda o Vale Nevado. Porém, ocorreram alguns imprevistos, eu tive uma gripe bem forte, tendo que recorrer as farmácias locais, meu maior medo fosse que eu tivesse que ir para o hospital, mas ainda bem que não chegou nesse ponto. Resumo, eu só queria ficar na cama e não levantar para nada. Então riscamos os três últimos passeios da lista, fiquei muito triste, pois estava muito ansiosa para conhecer esses locais.  O Vale Nevado não ia dar para ir mesmo, pois não tinha nem uma nevezinha caindo no Chile, embora já estivesse começando a ficar bem frio. Sendo assim, passamos os restantes dos dias fazendo compras, e embora não estivesse muito mais barato que no Brasil, ainda assim compensava.

PicMonkey Collage7

Fomos visitar o shopping Costanera Center, fica em uma área bem moderna de Santiago e é o maior shopping da américa latina. Fica localizado no bairro Providência. Cada andar dele é referente a uma categoria, no 1º Piso tem presentes, no 2º Piso tem moda feminina, no 3º piso tem moda masculina e infantil. 4º piso tem decoração, esportes e tecnologia. 5º piso tem alimentação. E no 6º e último andar, cinemas. Eu quis ir lá porque tem ZARA, Forever 21, H&M e Toposhop, minhas lojas favoritas. Mas a topshop estava muito cara (no nível de ter que vender um rim) e não comprei nada lá. Na Forever 21 e H&M, achei preços bem em conta. No Costanera Center tem também o hipermercado Jumbo, eu adoro supermercados grandes, pois sempre tem variedades de produtos e eu sou a louca dos doces, comprei caixas e mais caixas de alfajor e chocolates diferentes.

Outras lojas de departamentos bem legais encontradas em Santiago, é a Ripley, Farabella e Paris. Os preços são parecidos com a Renner aqui do Brasil. E elas tem de tudo, desde roupas, eletrônicos e beleza. Das três, a mais carinha é a Paris. Eu acabei comprando apenas na Farabella, produtos de tratamento para o rosto, tinha kits super em conta. E ainda comprei uma bota por um preço bem bacana. E meus dias finais em Santiago se resumiram a isso, compras e conhecer a cidade.

E ai, o que vocês acharam? Partiu Santiago? Se você já foi para lá e tem mais alguma dica, deixe nos comentários!

Conhecendo Holambra – A cidade das flores

Hoje vou falar um pouco de Holambra, a cidade das flores. Estava esses dias pensando em como minha vida é monótona. Levanto todos os dias as 6 horas da manhã, vou para o trabalho, volto do trabalho e passo o restante da noite, sem fazer absolutamente nada de produtivo.

Nos finais de semana estou tão cansada que apenas durmo. E a vida passa tão rápido, que daqui a pouco, os anos terão passado e eu não terei feito nada de útil. Foi então que uma luzinha se acendeu no meu cérebro e tomei várias decisões para mudar um pouco a minha vida, uma delas é viajar.

Eu amo viajar, já fui para Londres (Inglaterra) e Santiago (Chile) e na minha cabeça, para ter uma super viagem, tinha que ser para o exterior. Mas nem sempre temos dinheiro e o Brasil tem lugares lindos para se conhecer! Então decidi que sempre que possível eu faria algum passeio ou viagem aqui perto de São Paulo e aos poucos indo para longe. Eu já conheço o sul do país, e um pouco de MG mas conheço muito pouco das cidades aqui ao redor de São Paulo mesmo.

Fiz uma busca rápida no google, procurando por lugares aqui por perto que desse para fazer em um dia e me deparei com Holambra a cidade das Flores, como as pessoas chamam. Uma amiga minha já tinha ido conhecer a cidade e tinha gostado muito e da onde eu moro, dava apenas 2 horas para ir e 2 horas para voltar. Dava para fazer um bate e volta bem legal.

Chegando em Holambra

Então, num sábado que tinha tudo para ser ensolarado (e realmente foi), acordei às 5:30 da manhã e peguei a estrada, cheguei em torno de 8 horas em Holambra. Chegando em Holambra, já me deparei com o portal da cidade, que achei muito lindo e senti como se estivesse chegando num lugar que não parecia o Brasil.

Infelizmente, não descemos para tirar foto (fiquem com a minha pobre foto tirada de dentro do carro), pois a intenção era parar o carro na volta e tirar fotos, mas quem disse que lembramos disso na hora de vir embora?

10

Lugares para conhecer

Passamos pelo portal e seguimos pelo centro, fomos seguindo até chegar no Moinho Povo Unidos, que é o maior Moinho da América Latina! Achei o máximo. Tiramos algumas fotos, logo ao lado do moinho, tem uma outra entrada em direção ao centro da cidade que tem um pequeno portal, achei bem bonitinho. Seguindo por esse portal, acabamos saindo no lago da cidade e adivinhem? Acabamos na chamada Confeitaria do Lago ou também, de Zoet en Zout.

Eles possuem doces maravilhosos, os preços nem tanto, cada doce custa em torno de R$8,00. Como eu não queria vender meu rim para comer todos os doces, combinei com minha mãe e irmã que cada uma pegava um doce e podíamos experimentar pelo menos 3 doces diferentes. Deu super certo. Minha irmã e mãe ainda pegaram um salgado e um capuccino que elas falaram que estava muito bom (eu não tomo café).

DSCN1823_3

2

Depois da Confeitaria do Lago, fomos dar uma volta no lago, estávamos lá andando de boa quando do nada vi uma capivara logo em frente, olhei mais além e vi cerca de 10 capivaras, fiquei tipo, oi? Achei super interessante, junto com as capivaras, estava uns gansos também.

4

3

Após o lago, fomos no centro da cidade, dar uma volta pela chamada Rua Turística. Nessa rua tem várias lojinhas de souvenires em estilo Holandês e são bem coloridas. É tudo bem bonito. Não comprei nada nas lojinhas, porque achei um pouco caro.

Um pequeno moinho de porcelana de uns 5 cm, custava R$30,00. Saindo das lojinhas seguimos em frente e chegamos nas lojas de orquidário. As plantas estavam bem baratas, um cacto pequeno, custava R$1,60, um bonsai custava R$10,00. Fiquei com o olho gordo querendo todas as plantas do mundo, mas não ousei comprar nada, pois não sou muito boa em cuidar de plantas, elas sempre acabam mortas.

5

9

Para finalizar, demos uma outra volta pelo centro e logo em seguida viemos embora. Adorei a cidade e espero conhecer outras em breve.

E aí, alguém conhece Holambra? Gostam de viajar? Deixem nos comentários!