Resenha: Real, Louco, Mortal por Hannah Jayne

Há alguns meses comprei o livro Real, Louco, Mortal da autora Hannah Jayne, na Saraiva. Uma obra envolvente e empolgante do começo ao fim, envolvendo drama adolescente e mistério.

A história é ambientada na escola e foca na personagem de Sawyer Dodd, que sofreu uma perda, quando seu namorado Kevin, morre num acidente de carro. É um bom livro para lermos numa tarde chuvosa comendo brigadeiro.

Se você gosta de livros numa pegada mais adolescente, que envolve mistério e um pouco de drama, vai curtir essa obra.

Sinopse:

Sawyer Dodd sempre desperta inveja por onde passa: é uma excelente aluna, uma atleta dedicada e é a namorada de Kevin Anderson, o sonho de consumo de qualquer garota! 

Mas, quando Kevin morre num trágico acidente de carro, e ela encontra em seu armário um enigmático bilhete que contém apenas a inscrição ‘De nada’, Sawyer vê seu mundo virar de cabeça para baixo. 

Alguém sabe o que Kevin fazia com ela. Alguém sabe que eles não eram o casal perfeito que pareciam ser. E esse alguém é um assassino que está no encalço de Sawyer, acompanhando todos os seus movimentos… 

Mortes, intrigas, perseguições, em uma narrativa alucinante onde ninguém é o que parece ser!

Minhas Impressões:

Começamos Real, Louco, Mortal com Sawyer no funeral de seu namorado Kevin, que morreu num acidente de carro. Todos sentem muito pela perda dela e a olham com pena. Mas no íntimo Saywer sente algo como alívio. Os últimos tempos com o namorado não tinham sido fáceis. O namorado era difícil de lidar e completamente abusivo, ninguém sabia o que ela passava nas mãos dele. Todos os julgavam como um casal perfeito.

Além da morte de Kevin, Sawyer não está num bom momento da sua vida, seus pais se divorciaram e agora ela vive com o pai e uma madrasta que está grávida, num bairro distante com nenhum vizinho, o que aumenta ainda mais o suspense.

A garota procura levar sua vida o mais normal possível. Até que um dia na escola ao abrir o armário onde guardava os livros, encontra um bilhete escrito “de nada. O que antes parecia ser apenas um acidente, parece estar mais para um assassinato.

Logo, outra morte ocorre, e parece envolver Sawyer de alguma maneira novamente. A garota fica cada sem saber em quem confiar, uma vez que todos parecem suspeitos. O livro é narrado em terceira pessoa, e sentimos uma conexão grande com a garota. Meio que abandonada pelos pais, que são completamente ausentes e a enviam para o terapeuta ao invés de conversar com a garota e descobrir o que está acontecendo.

Ao longo da história torcemos para que ela descubra quem está por trás de tudo e exercendo tanto poder na vida dela. Como todos parecem suspeitos, nossa ansiedade só aumenta, pois queremos saber como termina o livro.

Real, Louco, Mortal é bom livro, cheio de mistério, não vemos passar as páginas, pois a leitura flui muito fácil. Se você curte mistérios, não deixe de conferir!

Gostou desse post? Tem dica de livros? Não deixe de comentar!

Resenha: A Garota Sem Passado por Michael Kardos

A Garota sem Passado é um livro intrigante que consegue prender a atenção do leitor. Se você gosta de um bom Thriller, vai curtir essa resenha.

Sinopse:

“Num domingo de setembro de 1991, Ramsey Miller deu uma festa em casa para os vizinhos. Depois, assassinou a esposa e a filha de 3 anos. Todo mundo na pacata cidade de Silver Bay conhece a história. Só que todos estão errados. A menina escapou. Sob o nome falso de Melanie Denison, ela passou os últimos quinze anos escondida com os tios numa cidadezinha remota. Nunca pôde viajar, ir a uma festa na escola ou ter internet em casa, porque Ramsey jamais foi encontrado e poderia ir atrás dela a qualquer momento. Mas, apesar das rígidas regras de segurança impostas pelos tios, Melanie se envolve com um jovem professor da escola local e engravida. Ela decide que seu filho não terá a mesma vida clandestina que ela e, para isso, volta a Silver Bay para fazer o que nem os investigadores locais, nem a polícia federal, nem o FBI conseguiram: encontrar seu pai antes que ele a encontre.”

Minhas Impressões:

O livro gira em torno de Melanie Danison. Quando era apenas uma garotinha de 3 anos, seu pai, Ramsey Miller assassinou sua mãe. Para o mundo, Melanie, antes chamada de Meg também morreu. Mas Melanie conseguiu sobreviver e nos 15 anos que se passaram, a garota viveu às escondidas com os tios.

A família se mudou para uma pequena cidade em Virgínia Ocidental e vivem completamente em reclusão, pois Ramsey Miller ainda não foi pego e está a solta a procura da filha.

Os tios são extremamente rígidos com a sobrinha, porém a garota acaba engravidando de um professor local. Decidida a não deixar seu filho ter o mesmo futuro que ela e viver às escondidas, a garota foge da casa dos tios e vai tentar descobrir o que realmente aconteceu 15 anos atrás e encontrar seu pai.

O livro é dividido em três partes e alterna entre passado e presente, onde no passado conta os antecedentes que levaram a noite do assassinato e a vida de Ramsey Miller desde criança. No presente acompanhamos Melanie na busca pela verdade.

Gostei dos personagens, principalmente de Melanie e sua coragem por sair das asas dos tios e ir em busca de uma resposta.

No começo sentimos um pouco de aversão por Ramsey Miller, mas no decorrer da história e conforme vamos conhecendo o personagem, conseguimos entender sua personalidade e o que pode ter levado aos acontecimentos do dia do assassinato.

O desenvolvimento da história ocorre de forma natural e até um pouco entendiante, mas nas últimas 100 páginas, as coisas começam a acontecer e a adrenalina aumenta. Conseguimos descobrir fatos que ainda não tinham sido revelados e chegamos a um final inesperado.

A Garota sem Passado não é um livro extraordinário, mas vale muito a pena ler. Temos bons momentos de thriller onde podemos nos afundar na história e conseguir uma boa distração.

E aí, já tinham ouvido falar de A Garota sem Passado? O que achou da resenha? Deixe nos comentários!

Nunca Olhe para Dentro por Amanda Ágatha Costa #2

Hoje, com um post extra na semana, vendo compartilhar algo com você. Há alguns dias a querida escritora Amanda Ágatha Costa divulgou as primeiras impressões do seu próximo sucesso, Nunca Olhe para Dentro. Como eu gosto de um bom drama com romance, fiquei mais do que ansiosa para ler, desde que a escritora liberou a sinopse do livro.

Sobre a Escritora:

Amanda nasceu em 21 de outubro de 1993, numa cidade pacata do interior de Santa Catarina, chamada São João Batista. É formanda em Pedagogia e assim como muitos de nós, é amante das palavras desde a infância. Jamais imaginou que realizaria um sonho e um dia sua voz seria ouvida. Com papel e caneta nas mãos, espera poder todas as pessoas com suas histórias, fazendo-as vibrar e amar cada fragmento das mesmas. De todas as coisas do universo, aventurar-se nos mares da fantasia é sua maior paixão. O livro A Escolhida é seu romance de estreia.

Sinopse:

“Nem sempre a vida é colorida como um quadro ou suave como uma pincelada, às vezes é o contrário de tudo isso. Depois de perder os pais em um acidente de carro aos oito anos de idade, a única coisa que Betina precisa fazer é encontrar o responsável por ter destruído sua família na noite que daria início à sua próspera carreira como pintora. Agora longe dos pincéis e das paletas, ela está focada em terminar a primeira graduação e procurar na justiça um pouco de consolo para o caos que o seu passado ainda traz. Ao lado de seus amigos e sob o teto de uma tia que a detesta, ela perceberá de que cores as pessoas são feitas, e do quanto é realmente necessário olhar para dentro de tudo aquilo que a assombra, mesmo que para isso precise passar por uma inesperada decepção.”

Lançamento dia 03/10 na Amazon.

Minhas Impressões:

Começamos o livro conhecendo Betina aos oito anos de idade. O livro é narrado em primeiro pessoa, o que faz com que você se conecte ainda mais com a personagem. Nas primeiras páginas sabemos que Betina ama a pintura e está voltando de uma exposição, onde dois dos seus quadros foram expostos.

A alegria de Betina é interrompida quando ocorre um acidente e a garota perde seus pais. De algum modo, Betina conseguiu salvar-se, deixando os médicos surpresos, uma vez que a garota ficou 20 minutos dentro do lago onde ocorreu o acidente.

Com Betina já na faculdade, conhecemos Paola, amiga de Betina, que procura fazer a amiga seguir em frente. Porém Betina diz que só poderá seguir em frente após saber o que causou o acidente.

Betina vive numa situação complicada, onde está sob a guarda de sua tia Cecília, que junto com o namorado Manuel, fazem de tudo para fazer a vida de Betina um inferno.

No livro encontramos um tema delicado como a violência doméstica, que no dia a dia da nossa realidade, pode até passar despercebido.

Betina conhece o doutor Nicolas, e sua vida dá uma reviravolta. Atraída por doutor, não conseguia tirá-lo da sua cabeça. Com esse evento, muitas surpresas aconteceram na vida de Betina.

Nunca olhe para dentro é um lindo livro, com uma história envolvente. Se você dedicar um momento à ele, não vai se arrepender!

E aí, quem gosta de livros de romance? Deixem nos comentários!

Resenha: Em Águas Sombrias por Paula Hawkins

Em Águas Sombrias é uma história envolvente e misteriosa que nos prende do começo ao fim. Paula Hawkins, mesma autora de A Garota no Trem, mais uma vez conseguiu nos deixar sem folego ao trazer uma obra repleta de segredos e drama familiar.

Sinopse:

“Uma mãe solteira aparece morta no rio que atravessa a cidade. Pouco tempo antes, uma adolescente vulnerável teve o mesmo destino. Embora não sejam as primeiras mulheres perdidas para essas águas escuras, suas mortes causam uma perturbação no rio e em sua história, dragando dele segredos há muito submersos.”

Em Águas Sombrias acompanhamos Jules que volta para a pequena cidade Beckford após a morte da irmã, para cuidar da sobrinha adolescente e do enterro. Jules não fala com a irmã a muitos anos e achou que nunca mais voltaria ao lugar onde tem lembranças dolorosas de sua infância e adolescência.

Lena, filha de Nel, uma adolescente revoltada que se sente abandonada pela mãe, insiste que Nel jamais se mataria. A garota ainda acusa Jules por não atender aos telefonemas de Nel ao longo dos anos e se afastar completamente da irmã. Nel morreu no rio que atravessa a cidade, e o mais assustador é que Nel não foi a primeira mulher a morrer no local, apelidado de Poço dos Afogamentos, todos acreditam que Nel se suicidou, mas o que realmente está por trás da morte dela?

Cada capítulo é narrado por um personagem, sempre indo e voltando, mostrando diferentes perspectivas. Na minha opinião, dessa forma ficou bastante confuso e a história um pouco cansativa. Mas mesmo assim, consegue ser cativante e prender o leitor do começo ao fim.

Em relação aos personagens, não consegui criar nenhum vínculo com eles, todos pareciam ser muito problemáticos e simplesmente…chatos. Durante a leitura, começamos a suspeitar se Nel, irmã de Jules realmente se suicidou, uma vez que o comportamento de praticamente todos os personagens são suspeitos. A sede de querer descobrir logo o que realmente aconteceu, é o que faz a leitura tão interessante.

E aí, vocês já tinham ouvido falar de Em Águas Sombrias? Deixem nos comentários!

 

 

 

Resenha: Olhos Prateados por Scott Cawthon

Hoje venho compartilhar com vocês minhas impressões sobre o livro Olhos Prateados de Scott Cawthon. O livro surgiu de origem do popular jogo de videogame “Five Nights at Freddy’s”, onde o jogador assume o papel se segurança em uma pizzaria. Porém, o local é recheado de animais animatrônicos e a noite eles ganham vida. Assim, surgiu o livro Olhos Prateados, onde os assassinatos ocorridos na pizzaria há muitos anos e o mistério dos animais animatrônicos serão resolvidos.

Vamos a sinopse:

“Charlie é a filha do dono da pizzaria Freddy Fazbear’s, o antigo ponto de encontro da cidade, onde ela e seus amigos passaram a infância. O lugar ficou famoso pelos enormes bonecos que pareciam ter vida própria e divertiam os clientes. Até que a brincadeira se tornou um pesadelo, quando o estabelecimento virou palco de terríveis assassinatos. Uma das vítimas foi Michael, amigo de Charlie, e o corpo do menino jamais foi encontrado. Depois da tragédia a pizzaria fechou as portas e Charlie viu sua família desmoronar.

Dez anos mais tarde o grupo de amigos de Charlie volta a cidade para uma homenagem à Michael. O tempo passou, mas eles continuam assombrados pelo que aconteceu.  Os adolescentes voltam a pizzaria totalmente abandonada com a intenção de resolver o mistério, mas logo eles descobrem que as coisas por lá, não são mais as mesmas.”

Minhas Impressões

Gênero:

O livro é categorizado como terror, assim como o jogo (já joguei e realmente é assustador), porém a história do livro não tem nada de assustadora. Se trata de um bando de adolescentes que invadem a pizzaria fechada há muitos anos e ocorre um pouco de suspense, mas definitivamente, não tem nada de terror no livro.

Capa:

Achei a capa um pouco perturbadora, não gostava de deixar o livro a vista quando não estava lendo haha.

Personagens:

Não senti nenhuma ligação com os personagens, a principal Charlie é bem chata. Achei que conheceríamos mais sobre a personalidade dela durante a leitura, mas não. Ela é o tipo de pessoa (na vida real) que guarda tudo para si, consequentemente não conseguimos saber muito qual é a dela no livro. Os demais personagens não foram explorados e por ser muitos, eu sempre esquecia quem era quem.

Conclusão:

Achei o livro Olhos Prateados bastante entediante de se ler. Costumo gostar de ler suspense, mistério e terror por me prender a atenção, esse não foi o caso. O livro é bastante descritivo, o que acaba não explorando muito a história em si e fica chato de ler. Usando a linguagem popular, parece que o autor “encheu de linguiça”. Dava para ter resolvido o mistério em 50 páginas.

Sobre os assassinatos, sim, eles chegam á uma conclusão do que aconteceu anos atrás, mas sinto que não ficou tão esclarecido, quando terminei de ler o livro, parece que ficou incompleto. Tudo bem que faz parte de uma trilogia e ainda não sabemos se vai continuar com o mesmo grupo de pessoas, mas mesmo assim, depois de tanta enrolação, o mínimo que devia ter acontecido era ter um final digno.

Não quero jogar um balde de água fria e se você tem interesse em ler os livros, vá em frente. Como estou acostumada a fazer leituras desse gênero, eu apenas esperava mais, o que não aconteceu.

E aí, vocês já tinham ouvido falar do livro Olhos Prateados? Conhecem os jogos? Deixem nos comentários!

Livro A Promessa de Harlan Coben

O livro A Promessa, foi o primeiro que li de Harlan Coben, gostei bastante da história, mas passou longe da minha lista de histórias favoritas. O livro é com o personagem Myron Bolitar, que também participa de outros livros do autor, só vim a descobrir isso depois de ter comprado o livro. Abaixo você encontra uma sinopse da história e minha opinião.

Sinopse:

“Depois de ouvir duas adolescentes trocando confidências no porão de sua casa, Myron faz com que as garotas prometam ligar para ele se um dia estiverem em alguma encrenca e não tiverem coragem de recorrer aos pais em busca de ajuda. Ele garante que irá em seu socorro sem questionamentos, qualquer que seja a situação. Alguns dias depois, às duas da manhã, seu telefone toca. É Aimee Biel, uma das garotas a quem oferecera apoio incondicional. Abalada e nervosa, ela pede que Myron a deixe em frente a uma casa numa rua deserta, o suposto endereço de uma amiga. Apesar de sentir que alguma coisa está errada, Myron honra sua palavra e não faz perguntas. Mas ele se arrependerá profundamente dessa decisão, porque talvez essa seja a última vez que Aimee será vista por alguém. Atormentado pela culpa – ao mesmo tempo que se torna o principal suspeito pelo misterioso desaparecimento –, Myron decide investigar o caso por conta própria. Envolvido numa trama cheia de promessas desfeitas e segredos devastadores, ele descobre que essa não será apenas uma busca por uma adolescente que sumiu: será também uma busca pela verdade em suas nuances mais sombrias.”

Numa festa em sua casa, Myron ouve a filha de sua namorada e a melhor amiga dela trocando confidências. Preocupado com as meninas, ele as faz prometer ligar para ele, caso tivessem em algum tipo de problema. Aimee leva a sério a oferta e realmente liga para ele.

Sem fazer perguntas, ele vai ao encontro dela e a leva até a casa de uma suposta amiga. Na manhã seguinte, Aimee é dada como desaparecida. Sentindo-se culpado, Myron promete a Claire, sua amiga e mãe de Aimee que encontrará a garota. A partir daí uma série de segredos virão à tona.

Minha opinião:

Eu sou muito fã de livros de mistério policial. Embora tenha gostado da história de A Promessa, que explora assuntos como violência doméstica, tráfico, pedofilia e aborto eu não curti o livro como um todo. Não senti nenhuma ligação com o personagem principal, que fiquei sabendo depois que protagoniza outros livros do autor Harlan Coben. E também não gostei da escrita, mas acho que isso foi algo particular.

Durante a história, ficamos muito curiosos para saber o que realmente aconteceu com Aimee. Isso nos faz querer ler mais e mais, porém, o final de A Promessa, pelo menos para mim, foi um pouco decepcionante. Embora tenha explorado temas reais, eu esperava mais do final, contando que o livro todo nos envolvia de uma forma bastante eletrizante.

Mas não se deixe abalar por essa impressão, pois como disse anteriormente, a história em si é boa, e vale muito a pena conferir. Caso você já conheça outras obras de Harlan Coben e goste do autor e suas obras, confira A Promessa com certeza!

E aí, já tinham ouvido falar desse livro antes? Qual o gênero de livros favorito de vocês? Deixem nos comentários!

Resenha Única Filha por Anna Snoekstra

Anna Snoekstra é uma autora australiana e o livro Única Filha foi a primeira obra que li dela. O gênero é um Thriller, misturado com um Suspense policial. Gostei muito do livro e fiquei sabendo que os direitos autorais já foram vendidos para que vire filme.

Sinopse:

“Em 2003, Uma Adolescente De 16 Anos desapareceu. Rebecca Winter estava curtindo suas férias de verão. Trabalhava em uma lanchonete, tinha uma queda por um rapaz mais velho e saía com sua melhor amiga. Mas coisas estranhas surgiam ao seu redor: ela encontrou sangue em sua cama, passou a ter surtos de amnésia, sentia-se vigiada. Ainda assim, nada disso preparou Rebecca Winter para o que estava prestes a acontecer. Onze anos depois, a garota desaparecida foi substituída. Para fugir da prisão, uma jovem mulher declara ser a adolescente desaparecida anos atrás. A impostora assume a vida de Rebecca Winter. Dorme em sua cama. Abraça seu pai e sua mãe. Aprende os nomes de suas melhores amigas. Brinca com seus irmãos. Mas a família e os amigos de Rebecca não são quem dizem ser.”

Minha opinião:

Fui convencida a levar o livro só pela sinopse, é o tipo de livro que eu adoro ler. Prende a atenção do leitor com o suspense e o final é surpreendente. Durante a leitura, acompanhamos duas histórias, a da verdadeira Rebecca Winter antes do seu desaparecimento e da garota que a substitui no tempo presente. A garota que substitui Rebecca, é presa ao tentar roubar uma loja. Para fugir da prisão, se declara como sendo a garota de 16 anos que tinha desaparecido 11 anos antes.

Por ser muito parecida com Rebecca Winters, ninguém desconfia que ela não é a filha, amiga e irmã que se declara ser, fora que 11 anos tinham se passado. Logo sua nova vida começa a não ser tão perfeita assim, pois a pessoa que desapareceu com Rebecca pode estar a espreita, sabendo que ela não é a verdadeira. Logo a falsa Rebecca começa a achar que cometeu um erro ao se passar por Rebecca Winters.

O livro tem muito suspense que vai aumentando a cada página, nos prendendo do começo ao fim. Durante a leitura, você começa a suspeitar dos personagens, mas te garanto que o final não vai ser nada do que você espera.

Enfim, gostei muito de Única Filha e se você está a procura de um bom livro para ler, recomendo esse sem sombra de dúvidas, é extremamente viciante e dá para terminar rápido.

Vocês já conheciam Única Filha? O que acham de suspense policial? Deixem nos comentários!

Resenha: A Garota do Lago por Charlie Donlea

Tenho lido tanto livro ultimamente que tenho resenhas planejadas até para o próximo mês, e todos os livros que li, foram impressionantes e precisam ser lidos. Com A Garota do Lago não foi diferente. É um livro de suspense/thriller policial, onde na sinopse já podemos ler “Alguns lugares parecem belos demais para serem tocados pelo horror…”. Bem legal né, se você curte livros desse gênero, dá uma olhada abaixo:

Sinopse:

“Summit Lake, uma pequena cidade entre montanhas, é esse tipo de lugar, bucólico e com encantadoras casas dispostas à beira de um longo trecho de água intocada. Duas semanas atrás, a estudante de direito Becca Eckersley foi brutalmente assassinada em uma dessas casas. Filha de um poderoso advogado, Becca estava no auge de sua vida. Atraída Instintivamente pela notícia, a repórter Kelsey Castle vai até a cidade para investigar o caso. …E Logo Se Estabelece Uma Conexão Íntima Quando Um Vivo Caminha Nas Mesmas Pegadas Dos Mortos…E enquanto descobre sobre as amizades de Becca, sua vida amorosa e os segredos que ela guardava, a repórter fica cada vez mais convencida de que a verdade sobre o que aconteceu com Becca pode ser a chave para superar as marcas sombrias de seu próprio passado.”

Minha Opinião:

O livro A Garota do Lago é o livro de estreia de Charlie Donlea e que estreia! Logo quando começamos a leitura, podemos viver junto com Becca seus últimos momentos de vida.

“Ferida e sangrando, Becca ficou ali, desfalecida, acordando cada vez que ele a maltratava em ondas coléricas, violentas”.

Após esse início eletrizante, continuamos a leitura entre passado e presente. Onde podemos conhecer a vida de Becca desde 14 meses antes da sua morte. Nesses capítulos, podemos conhecer Becca, que estudava advocacia e seus amigos. No presente, acompanhamos a reporter Kelsey Castle à medida que a mesma investiga a morte de Becca.

Kelsey se identifica com Becca e faz de tudo para descobrir a verdade, mesmo que isso à leve para a prisão. A morte de Becca fica cada vez mais suspeita, à medida que Kelsey sente que alguém está tentando encobrir algumas informações importantes da noite que Becca morreu.

Vale muito a pena ler, é um bom thriller para ler numa tarde preguiçosa e chuvosa! E aí, já tinham ouvido falar de A Garota do Lago? Deixem nos comentários!

3 livros favoritos da minha estante

Hoje venho falar de 3 livros favoritos da minha estante. Caso você esteja procurando por uma nova leitura, pode gostar da dica. Tenho vários livros que gosto e guardo com carinho, mas esses três que vou comentar, tem estado na minha lista de favoritos por muito tempo. São eles:

  • Orgulho e Preconceito – Jane Austen
  • A Casa Torta – Agatha Christie
  • Girlboss – Sophia Amaruso

Cada um deles, possui um gênero e uma proposta diferente. ORGULHO E PRECONCEITO parece ser apenas mais um romance de época da Jane Austen, mas na verdade, conseguimos identificar uma mensagem no livro através da personagem de Elisabeth Bennet, do qual é não podemos julgar as pessoas apenas pela aparência.

A CASA TORTA é um livro policial de Agatha Christie que acho muito interessante, nos faz exercitar nosso cérebro em busca da verdade enquanto fazemos a leitura, que no final é surpreendente e mesmo sendo ficção, podemos ver  o quanto o ser humano é ardiloso.

E por fim, temos GIRBOSS, que é uma autobiografia de Sophia Amaruso do qual podemos aprender muito com a leitura, podemos e devemos ir atrás dos nossos sonhos e objetivos e não importa o que falem, também somos uma Girlboss na vida.

Caso tenha se interessado por alguma dessas leituras, dá uma olhada na sinopse de cada uma das obras:

1 – Orgulho e Preconceito

“O romance retrata a relação entre Elizabeth Bennet (Lizzy) e Fitzwilliam Darcy na Inglaterra rural do século XVIII. Lizzy possui outras quatro irmãs, nenhuma delas casadas, o que a Sra. Bennet, mãe de Lizzy, considera um absurdo. Quando o Sr. Bingley, jovem bem sucedido, aluga uma mansão próxima da casa dos Bennet, a Sra. Bennet vê nele um possível marido para uma de suas filhas. Enquanto o Sr. Bingley é visto com bons olhos por todos, o Sr. Darcy, por seu jeito frio, é mal falado. Lizzy, em particular, desgosta imensamente dele, por ele ter ferido seu orgulho na primeira vez em que se encontram. A recíproca não é verdadeira. Mesmo com uma má primeira impressão, Darcy realmente se encanta por Lizzy, sem que ela saiba do fato. A partir daí o livro mostra a evolução do relacionamento entre eles e os que os rodeiam, mostrando também, desse modo, a sociedade do final do século XVIII.”

2 – A Casa Torta

“Nos arredores de Londres há uma mansão com uma inusitada característica: ela é torta. É ali que o milionário octogenário Aristide Leonides mora com a esposa, cinquenta anos mais jovem, além de filhos, noras, netos e uma cunhada, irmã da primeira mulher. Quando a polícia descobre que o patriarca foi envenenado, todos os habitantes da casa se tornam suspeitos, e a discórdia passa a imperar entre os membros da família – sobretudo, olhares desconfiados recaem sobre a jovem viúva. A neta mais velha de Aristide, Sophia, junta-se ao namorado para tentar chegar ao fundo do mistério sobre a morte do avô.”

3 – Girlboss

“Sophia Amoruso passou a adolescência viajando de carona, furtando em lojas e revirando caçambas de lixo. Aos 22 anos ela havia se conformado em ter um emprego, mas ainda estava sem grana, sem rumo e fazendo um trabalho medíocre que assumiu por causa do seguro-saúde. Foi aí que Sophia decidiu começar a vender roupas de brechó no eBay. Oito anos depois, ela é a fundadora, CEO e diretora criativa da Nasty Gal, uma loja virtual de mais de 100 milhões de dólares, com mais de 350 funcionários. Além da história de Sophia, o livro cobre vários outros assuntos e prova que ser bem-sucedido não tem nada a ver com a sua popularidade; o sucesso tem mais a ver com confiar nos seus instintos e seguir a sua intuição. Uma história inspiradora para qualquer pessoa em busca do seu próprio caminho para o sucesso.”

E aí, o que acharam desses 3 livros favoritos da minha estante? Qual ou quais livros também passaram uma mensagem significativa para vocês? Deixem nos comentários!

 

A lição que o livro Pollyanna nos ensina

Acredito que a maioria das pessoas conhece o livro Pollyanna de Eleanor H. Porter. Um clássico da literatura infantil-juvenil, Pollyanna deve ser lido pelo menos uma vez na vida. A primeira vez que li a obra, ainda estava no ensino fundamental e confesso que não gostei nem um pouco do livro. Isso porque na época, eu não entendi a mensagem que o livro passava. Hoje, após ter lido novamente o livro há algumas semanas, compartilho com vocês, a lição que o livro Pollyanna nos ensina. Antes de me aprofundar nesse tópico, deixe-me explicar do que se trata a história.

No livro, acompanhamos Pollyanna. Uma garota de 11 anos que vive apenas com seu pai, um pastor. Porém, a garota perde o pai, ficando órfã e é enviada para viver com sua tia Polly num pequeno povoado inglês. Tia Polly é uma senhora amarga, que recebe a menina apenas como um dever. Logo a menina começa a contagiar os moradores com o jogo do contente, que ela aprendeu com seu pai, no qual consiste em ver o lado bom das coisas.

Após ter lido o livro novamente, com uma visão e experiência de vida diferente, consigo ver o quanto a leitura de Pollyanna é importante para qualquer idade. As vezes só enxergamos o lado ruim de qualquer coisa e consequentemente atraímos mais coisas negativas na nossa vida. E acaba que nunca estamos satisfeitos.

É como ganhar um bolo de chocolate e querer um bolo de cenoura e não ficar satisfeita com o presente. No livro, aprendemos que sempre há um lado bom para qualquer acontecimento nas nossas vidas. Esse é um exemplo simples para entendermos como funciona o jogo. No livro, Pollyanna diria que deveríamos ficar contente em ter ganhado o bolo de chocolate e não o de cenoura, caso contrário nunca saberíamos o quão gostoso é um bolo de chocolate.

Podemos levar essa lição para a nossa vida, por exemplo, um funcionário que não recebe um aumento pelo qual estava esperando. Ele pode ficar contente, pois mesmo não recebendo o aumento, ele ainda tem um emprego e não foi demitido. Assim, consequentemente acabaremos em ver o lado bom de tudo, naturalmente.

E aí, o que acharam sobre a lição que o livro Pollyanna nos ensina? Já leram o livro? Deixem nos comentários!